Entre a autonomia e a dependência

Jônatas da Cunha Ferreira

131201_boletim338 590

Vimos como no sono — ou na falta dele — podemos encontrar um retrato da nossa fé cristã vivida além das paredes dos templos. Muita gente vive sob a pressão produtiva e reduz o tempo de sono para conseguir algumas horas extras de trabalho. Não conseguem dormir, pensando nas contas, nos filhos, nas tarefas inacabadas, no futuro. Todavia, dormir não é apenas uma necessidade, mas uma expressão de confiança em Deus porque, Senhor, só tu me fazes repousar seguro (Sl 4.8).

Mas, como dormir quando se está estressado como Jacó? (Gn 28.10-22) Ele estava fugindo do ódio de seu irmão. Depois de quase três dias de viagem, Jacó se entrega ao cansaço. Ele silencia e adormece ao relento, tendo apenas uma pedra como travesseiro. É nesse momento que Deus se revela e que Jacó começa a ser transformado. Ao despertar, temendo a Deus, Jacó dá àquele lugar o nome de Betel, que significa Casa de Deus. Em seguida faz um voto com uma consagração solene do seu ser, serviço e posses a Deus. Jacó, que até aqui não conseguia confiar na providência de Deus, dá é o primeiro passo em direção a dependência e consagração completa, dedicando a si mesmo voluntariamente a Deus.

Nosso sono também retrata o quanto somos dependentes de Deus. Não é incomum encontrar pessoas que perdem o sono por não conseguir dirigir seu destino como queriam — aliás, uma tentativa sempre frustrante. Há muitas variáveis que não podemos de dominar. Nossa vida não está em nossas mãos. Por isso, é uma inquietação inútil: Com efeito, passa o homem como uma sombra; em vão se inquieta; amontoa tesouros e não sabe quem os levará. E eu, Senhor, que espero? Tu és a minha esperança. (Sl 39.5-7)

Não conseguimos dormir se estamos tentando administrar o mundo. Mas, se confiamos em Deus, podemos deitar e dormir, crendo que o Senhor nos sustenta. A noite tranquila de sono pode ser o retrato de alguém que tem aprendido a ser dependente de Deus. Alguém que entendeu a mensagem da cruz e o amor gracioso de Cristo e diz: sou teu e tudo quanto tenho consagro ao Senhor. Como disse Cornelia Johanna Arnolda ten Boom, uma escritora e resistente holandesa que ajudou a salvar muitos judeus dos nazistas durante a II Guerra Mundial: Nunca tenha medo de confiar um futuro desconhecido a um Deus conhecido.

Você tem se conduzido tentando ser o senhor do seu destino ou dependente de Deus? Somos convidados a depender de Deus e isso requer parar de tentar inutilmente ser senhor de sua própria vida. Requer esperar Nele — tarefa difícil para nossa cultura sempre apressada. Mas, se conseguirmos, ao final diremos: Em paz me deito e logo pego no sono, porque, Senhor, só tu me fazes repousar seguro. (Sl 4.8)

Jônatas da Cunha Ferreira • iptubarao.wordpress.com
CC BY-NC-ND 3.0 • This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil License
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s