Criando filhos no temor de Deus

Jônatas da Cunha Ferreira

130901_boletim326 590

Era uma vez um rei que teve muitos filhos. Ele gostava do segundo filho, e nunca o contrariou. Tudo o que o menino quis, desde cedo, o rei lhe deu. E o que aconteceu? Quando esse menino cresceu, descobriu que seu irmão seria o rei. Como nunca havia sido contrariado, armou uma rebelião para tomar o trono do pai e o lugar do irmão. Mas tudo acabou numa tragédia para a família, com a morte violenta desse rapaz.

Esta é a história de Adonias, filho de Davi (1Rs 1.1-53). Ela ilustra que as crianças têm de limites para que sejam adultos socialmente saudáveis. Paulo fala dessa necessidade, demonstrando a responsabilidade dos pais na educação dos filhos: E vós, pais, não provoqueis vossos filhos à ira, mas criai-os na disciplina e na admoestação do Senhor (Ef 6.4).

O pressuposto é o mesmo de toda a passagem: a vida cheia do Espírito Santo. Ou seja, pais devem educar seus filhos no poder do Espírito de Deus (Ef 5.18). Muitos têm falhado nesse ponto. Por falta de um relacionamento verdadeiro com Deus não conseguem educar com a sabedoria necessária. Paulo procura corrigir dois extremos com duas orientações aos pais, corrigindo o exercício errôneo de autoridade e corrigindo pais que deixam seus filhos sem correção.

Primeiro, os pais não devem provocar os filhos à ira. Devem exercer sua autoridade, educando e corrigindo o filho sem abusos e exageros, com amor e moderação, para que sigam alegremente suas orientações. Não devem provocar ressentimentos pelo emprego errado da sua autoridade.

Segundo, devem criá-los em disciplina. Crianças têm em seus corações desde o seu nascimento a semente do pecado. Não gostam de dividir, são orgulhosas, fazem pirraça, sem que ninguém as ensine. A disciplina é necessária para educá-las no que é bom e puro. E disciplinar não é descarregar ira ou frustração na criança, mas corrigi-los para treiná-los no que é bom. Qualquer correção fora desse propósito não é disciplina.

Assim, a autoridade dos pais deve ser exercida, disciplinando os filhos sem abusos e sem omissões. Mas como encontrar esta moderação? Só há uma resposta possível: uma vida cheia do Espírito Santo. Se você quer educar seus filhos pela vontade de Deus o que você mais precisa é da graça do próprio Deus.

Como disse Paul Tripp: Comecei a entender que, se tudo que meus filhos precisavam era de um conjunto de regras e um pai para servir de juiz, júri e executor, não havia necessidade da vinda de Jesus. Ficou claro para mim que as mudanças fundamentais tão necessárias, nos níveis mais profundos dos pensamentos e desejos dos meus filhos, que levassem a mudanças permanentes de comportamento, só ocorreriam se fossem por meio da poderosa, misericordiosa e transformadora graça de Jesus Cristo. (…) Eu entendi que para ser um canal de graça, eu mesmo precisava desesperadamente da graça.

Tubarão/SC, 23 de agosto de 2013

Jônatas da Cunha Ferreira • iptubarao.wordpress.com
CC BY-NC-ND 3.0 • This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil License
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s