Firmes como rochas

Jônatas da Cunha Ferreira

130421_rocha 590

Todos temos de lidar com a inconstância: altos e baixos no humor, na motivação, nas emoções, no amor, no entusiasmo, na fé. Tudo isso gera aproximação ou afastamento de Deus à medida que oscilamos com as circunstâncias. Por isso, um dos grandes desafios da fé é manter a constância uma vez que ela nos faz caminhar rumo à maturidade, como disse C. S. Lewis: “a maturidade é algo que todos alcançam na velocidade de sessenta minutos por hora, independentemente do que façam e de quem sejam”.

Pedro era exatamente como a maioria de nós: inconstante. Por vezes sucumbia aos hábitos da carne; em outras ocasiões agia de acordo com o Espírito. Seu nome era Simão. No entanto, logo que o encontrou, Jesus lhe deu um apelido: Pedro (Lc 6.13,14), que significa “rocha”. Tal apelido é significativo diante de sua inconstância. Ninguém confessou a Cristo com mais ousadia, mas nenhum outro o negou com tanta veemência. Ninguém foi tão elogiado por Jesus e, ao mesmo tempo, tão repreendido. Ao que parece, Jesus acrescentou o nome Pedro para lembrá-lo do que deveria ser: transformado da inconstância para ser firme como uma rocha. Para isso teve de aprender a desenvolver algumas virtudes ao longo de sua vida.

Primeiro o domínio próprio. Pedro tinha dificuldades para dominar seus impulsos. Sua cabeça quente o levava a falar e agir irrefletidamente. Quando corta a orelha de Malco, por exemplo, revela sua falta de domínio próprio (Jo 18.10). Por isso, Pedro foi tão repreendido por Jesus sempre que falou ou agiu precipitadamente. Jesus estava ensinando-o a se dominar.

Segundo, a humildade. Pedro sempre demonstrou uma segurança e confiança extrema em sua própria força. Isso é evidente pelo modo como responde as perguntas, como na ocasião em que promete jamais negar Jesus (Lc 22.33). Sua vergonha só foi maior que a dos outros por ter se orgulhado com obstinação da sua fidelidade. Porém, Jesus usou tudo isso para torná-lo um homem humilde (1Pe 5.5,6).

Por fim, Pedro também teve de aprender o amor. Ele tinha certa dificuldade de entender toda a influência do amor servidor. Sua mente estava mais voltada para objetivos que pessoas. Por isso, Jesus mostrou a todos que o maior é o que serve e deu o exemplo, lavando os pés dos discípulos. E Pedro aprendeu a lição (1Pe 4.8).

Cristo pode nos transformar da inconstância para a firmeza como rochas. Ele fez isso com Pedro. Precisamos crer e descansar Nele. Aprender Dele. Reconhecer nossa limitação e buscar Nele o desenvolvimento do domínio próprio, da humildade e do amor. Virtudes que constroem um caráter semelhante ao de Jesus. Como você tem buscado a constância do domínio próprio, da humildade e do amor para seu caráter? Você quer ser um servo?

Jônatas da Cunha Ferreira • iptubarao.wordpress.com
CC BY-NC-ND 3.0 • This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil License
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s