Não dá mais…

Carlos “Catito” e Dagmar Grzybowski

Em muitos relacionamentos conjugais há uma etapa em que um ou ambos os cônjuges se questionam se fizeram a escolha certa para o casamento. Percebem que o outro é muito diferente e que todo esforço para mudá-lo é infrutífero. Então começam a surgir as ideias de separação.

Lentamente o casal passa a buscar atividades e interesses diversos. Ele se ocupa com seus “hobbies”, com o trabalho ou os amigos; e ela, com as compras, as novas amizades ou a igreja. Enfim, procuram atividades que preencham o vazio relacional do distanciamento do cônjuge. Separam-se no emocional, no social, no físico e até no sexual.

Infelizmente alguns casais passam o restante de suas vidas separados; vivem debaixo do mesmo teto, porém com pouca coisa em comum. Outros optam pela separação legal — o divórcio, tão facilitado hoje em dia pelos legisladores — na esperança de “encontrar alguém que realmente os faça felizes”. Neste momento os casais estão prontos para tomar uma decisão importante: romper ou crescer!

Alguns rompem na ilusão de que com outra pessoa “tudo vai ser diferente”. O que realmente acontece é que reiniciam um ciclo: apaixonam-se (fase da lua-de-mel); voltam à realidade (fase da rotina); lutam pelo poder (fase da amargura e agressão) até chegarem novamente na desilusão e separação (fase do “já me cansei”). Infelizmente, a sociedade pós-moderna, na qual tudo é descartável, reforça a ilusão de que com um modelito novo tudo vai ser diferente. Alguns passam a vida tentando acertar (vide Elizabeth Taylor e Chico Anísio, que colecionaram oito tentativas cada), mas sempre se frustram.

A sabedoria da Palavra de Deus nos ensina, há milênios, que a ruptura não é a melhor solução (Ml 2.13-16), pois não resolve a essência do problema: a incapacidade de criar o novo a partir das diferenças. Insiste-se na busca do “espelho”, ou seja, de um outro que se amolde a mim perfeitamente. A grande verdade é que essa coisa colorida e divertida que se encaixa um no outro perfeitamente não se chama casamento, e sim lego!

O “caminho mais excelente” é aquele no qual desisto de mudar o outro (e vice-versa) e juntos buscamos a alternativa do novo. Então, iniciamos a nossa trilha pelo caminho do crescimento.

Crescer significa reconhecer que a minha forma de perceber a realidade não é a única correta, tão pouco a melhor, e que posso aprender muito a partir da percepção do meu cônjuge, afinal ele me ama e quer o meu bem, jamais o meu mal.

O divórcio não é a solução para crescermos a partir de nossas diferenças, pois ele nos empurra para o egocentrismo e para o fechamento em nós mesmos. Jamais reconhecemos nossa incapacidade de negociarmos com o cônjuge a novidade de vida, de criarmos algo somente nosso que faça parte do mistério. O mistério profundo do casamento transforma duas unidades em uma terceira unidade — sem a necessidade de cada um perder a sua identidade, pois unidade não é anulação.

O mistério que reconhece que há algo nesta aliança indescritível para os demais, similar ao que existe na aliança de Jesus com cada um de nós, é descrito poeticamente com as seguintes palavras: “Ao que vencer […] dar-lhe-ei uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe” (Ap 2.17).

Carlos “Catito” e Dagmar Grzybowski • ultimato.com.br
CC BY-NC-ND 3.0 • This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil License
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s