Oscilações Inevitáveis

Ultimato

A mesma pessoa que escreveu: “Em paz me deito e logo pego no sono, porque, Senhor, só tu me fazes repousar seguro” (Sl 4.8) também declarou: “Estou cansado de tanto gemer; todas as noites faço nadar o meu leito, de minhas lágrimas o alago” (Sl 6.6). Ao registrar estes dois estados de alma, Davi expressou o que acontece com todos nós: as inevitáveis variações de ânimo.

Em uma conversa fictícia descrita em “Cartas de Um Diabo a Seu Aprendiz”, de C. S. Lewis, o “demônio-mor” explica ao seu sobrinho aprendiz que estas oscilações seriam uma boa porta de entrada para a tentação, e assim descreve a natureza humana: “A maior aproximação a que eles chegam da constância vem a ser a ondulação — a volta repetida a um certo nível do qual eles caem repetidas vezes como numa série de depressões e cristas […] ondulação que se manifesta em todos os departamentos humanos — no interesse que dispensa ao trabalho, nas afeições para com os amigos, nos apetites fisiológicos, tudo nos homens oscila para cima e para baixo”.

A advertência de Eugene Peterson em “A Oração que Deus Ouve” — “Os sentimentos são o flagelo da oração. Orar com base nos sentimentos é estar à mercê de glândulas, tempo e digestão” — e a sugestão de uma saudável displicência para com os nossos sentimentos no âmbito da oração podem servir a todas as áreas da vida.

Revista Ultimato – Edição 332 • ultimato.com.br
CC BY-NC-ND 3.0 • This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil License
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s