O impossível torna-se possível

Ultimato

Existem o fácil e o difícil, o mais fácil e o mais difícil, o possível e o impossível. Todavia o difícil pode se tornar fácil, o impossível pode se tornar possível. Quando Jesus disse: “É mais difícil um rico entrar no Reino de Deus do que um camelo passar pelo fundo de uma agulha” (Lc 18.25, NTLH), o Senhor não estava dizendo que a salvação daquele jovem rico era literalmente impossível, pois “o que é impossível para os homens é possível para Deus” (Lc 18.27). Jesus mesmo ensinou que a fé no poder e na misericórdia de Deus, mesmo que pequena como o grão de mostarda, pode remover montanhas tão altas como o monte Hermon (Mt 17.20). A palavra “impossível” pertence ao vocabulário humano e nunca é pronunciada no céu.

Para Deus não é impossível que o imoral deixe de ser imoral, que o idólatra deixe de ser idólatra, que o adúltero deixe de ser adúltero, que o homossexual deixe de ser homossexual, que o ladrão deixe de ser ladrão, que o avarento deixe de ser avarento, que o alcoolista deixe de ser alcoolista, que o caluniador deixe e ser caluniador, que o trapaceiro deixe de ser trapaceiro (1Co 6.9-11). Pedro deixou de ser medroso ao extremo para ser corajoso ao extremo. João deixou de ser “filho do trovão” para ser o profeta do amor. Aquele homem nascido em Tarso da Cilícia deixou de ser Saulo para ser Paulo, deixando de ser o perseguidor-mor para ser o perseguido-mor. Tomé deixou de ser incrédulo para ser crente. Depois do encontro com Jesus Cristo, o publicano Zaqueu distribuiu a metade de seus bens com os pobres e se dispôs a devolver quatro vezes mais o que porventura havia roubado dos outros. Uma vez perdoadas, as três mulheres envolvidas com pecados sexuais (a mulher samaritana, a mulher adúltera e a mulher pecadora) viveram vidas diferentes.

Desde o primeiro compêndio da história do cristianismo até hoje, milhares de indivíduos conhecidos por seus vícios e mazelas tornaram-se conhecidos por sua vida cristã. Ao 17 anos, o profano Agostinho já tinha uma amante; quinze anos depois passou pela experiência da conversão, satisfez sua sede e fome de Deus, e tornou-se o santo Agostinho.

É preciso diferenciar a santificação da conversão. Esta é a porta de entrada da vida cristã. Marca o início do comprometimento pessoal com Jesus Cristo, quando ocorre uma profunda transformação de fé e de caráter, operada pela graça de Deus e pelo poder do Espírito Santo. Já a santificação é o processo contínuo e progressivo da vitória do convertido sobre suas tendências pecaminosas, sobre suas dificuldades pessoais, sobre a ditadura do eu, que precisa ser crucificado o tempo todo. Diz respeito também ao nível cada vez maior de conhecimento e comunhão com Deus e ao crescimento da fé, da submissão, do sentimento de dependência e da humildade. Não é um processo legalista e terrorista. Qualquer derrota pode ser admitida, confessada e perdoada, desde que tenha causado tristeza e arrependimento. A santificação bem-sucedida requer vigilância, devoção e obediência.

O Deus dos impossíveis que se manifestou na conversão é o mesmo que se manifesta na santificação. É também o mesmo que vai se manifestar na glorificação de todos os crentes por ocasião da parusia de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Naquele dia seremos semelhantes a ele (1Jo 3.2; Rm 8.29)!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s