Velocidade sem Freio

Ultimato – Setembro/Outubro 2004

081118_velocidade-sem-freio

Uma das três coisas desaparecidas na época do profeta Oséias foi o conhecimento de Deus: “A fidelidade e o amor desapareceram desta terra, como também o conhecimento de Deus” (Os 4.1).

Quando não há profetas que falem da parte de Deus, quando os sacerdotes são piores do que o povo, quando ninguém sabe em que gaveta a Palavra de Deus está escondida… quando o vergonhoso deixa de ser vergonhoso, quando todos os diques são implodidos e todos os muros de arrimo são derrubados, quando a permissividade põe fogo em todas as placas de advertência…

Então, como proclama o profeta, “um povo sem entendimento precipita-se à ruína!” (Os 4.14). A falência da leitura e da exposição das Escrituras Sagradas esconde Deus do povo. Enquanto o normal deveria ser “Conheçamos o Senhor” e “Esforcemo-nos por conhecê-lo” (Os 6.3), acontece o inverso. O esforço que alguns setores da sociedade pedem é em sentido contrário. Eles querem diminuir a lembrança do nome de Deus, do caráter de Deus, pois o conhecimento de Deus incomoda, trava as paixões interiores, engorda a boa consciência, infunde o maravilhoso temor do Senhor.

A diminuição ou a perda do conhecimento de Deus, todavia, é uma loucura. Aumenta a velocidade do gozo, mas acaba com o freio. Não há mais como parar nem nos buracos da vida, nem nas curvas da vida, nem no final da estrada. Daí a lembrança histórica: “Meu povo foi destruído por falta de conhecimento” (Os 4.6).

Porque Israel rejeitou o conhecimento de Deus, a nação mergulhou na corrupção. A denúncia é do profeta: “Só se vêem maldição, mentira e assassinatos, roubo e mais roubo, adultério e mais adultério; ultrapassam todos os limites!” (Os 4.2.) Como foi possível acontecer tudo isso naquela época não-moderna (mais de 700 anos antes de Cristo), numa faixa de terra pequena, no meio de um povo que conhecia de cor os Dez Mandamentos e que havia sido chamado e treinado para ser “uma luz para os gentios” (Is 49.6)? Como foi possível chegar a esse ponto de deterioração moral numa época em que não havia televisão, internet, revistas e filmes de violência e pornografia, tráfico de drogas e turismo sexual?

A verdade nua e crua é que a humanidade não muda, é sempre a mesma, ultrapassando “todos os limites”, repetidas vezes. É preciso não deixar a Palavra de Deus na gaveta para proclamá-la por todo canto, por meio de profetas que vivem o que devem pregar!


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s